terça-feira, 14 de junho de 2011

TGE

VT 1- Disciplina: Teoria Geral do Estado
Aluno: Carlos de Paula Amaral
Documentário: Justiça – Maria Augusta R.
1- Ambientes em cores sóbrias, pouca ornamentação, mas muita ostentação do poder. O desenho das salas de audiência consiste num quadrado, o que me suscita a idéia de “Enquadramento nos rigores da lei.” Os corredores do fórum lotados, denota, estatisticamente, maior infringência da lei, fruto de sucessivas falhas na formação e desenvolvimento do cidadão de bem.
2- No ritual de interrogatórios, quem executa a lei evidencia uma linguagem sofisticada, persuasiva e até mesmo irônica, se respaldando a todo momento no referido Código Penal, e tendo por postura, sempre um caráter enérgico e ereto, pois o poder está em suas mãos, e a bandeira da nação sempre atrás... Já os que são condenados pela lei, apresentam linguagem deveras primária, demonstram tensão óbvia e acabam entrando em controvérsia, além da postura de inferioridade e submissão, frente ao Estado implacável que julga e condena, na letra fria e severa da lei.
3- Quanto a posição espacial dos atores sociais; o juiz sempre ao centro, num patamar superior aos demais, ao lado dele, os promotores de justiça, e numa mesa simples defronte à esta bancada; o defensor público, que fica fora do campo de visão do réu, visto que este é posicionado de modo a sucumbir perante a imperiosidade do juiz, que é o único foco do campo de visão.
4- O contraste entre as instalações do tribunal e do sistema carcerário (Polinter), é percebido em termos quantitativos e qualitativos, onde destaco a super-lotação e outras deploráveis condições de vida na prisão, tais como; higiene precária, tratamento agressivo, e ausência total de privacidade. Analisando o tribunal, evidencia-se limpeza impecável, espaço amplo para melhor trânsito, e móveis visando beleza e confortabilidade.
5- Condições sócio-econômicas dos envolvidos e a função exercida: Réu – Baixa escolaridade e, em suma, inexistência de renda fixa. Função - Praticar o crime./ Policial – Escolaridade intermediária e baixa renda. Função – Reprimir o crime./ Promotor – Ensino Superior e alta renda. Função – Acusar o criminoso./ Defensor – Ensino Superior e renda considerável. Função- Defender o criminoso./ Juiz- Status, poder e riqueza, quase um deus. Função- Julgar o criminoso.
6- Não podemos afirmar em nenhum momento que a justiça é isenta, visto que seria, no mínimo, leviano e pretencioso. Até porquê, a própria origem da lei é dotada de extrema parcialidade, visto que quem a formula é humano (passível de erro), logo, reproduz de forma consciente ou não , as visões e ideais adquiridos no decorrer do tempo.
7- A justiça no Brasil funciona para a elite, prioritariamente, visto que no geral é conservadora e propicia a manutenção dos interesses dessa classe.
8- As relações de poder na justiça criminal brasileira, articulam-se sob uma espécie de hierarquia, tendo teoricamente o juiz papel principal, seguido do promotor; responsáveis pelas imputações e julgamentos, fazendo frente, está o defensor público, incumbido de defender um réu que quase sempre acaba encarcerado. Mas na verdade, essa hierarquia é mera ilusão, visto que o ato jurídico não se consome, sem as partes.
9- A importância dos direitos civis na efetivação da igualdade jurídica e da ordem republicana, consiste em garantir ao indivíduo seus direitos básicos, as condições mínimas necessárias para que possa realizar seus deveres, e requerer seus direitos, independente da posição sócio-econômica, raça, opção sexual, religião, política, ou qualquer outro artifício que possa cercear os direitos civis do cidadão.

sábado, 12 de março de 2011

Cansaço

13/03. 4:51 AM. Estou cansado. Cansado de passar pelas mesmas ruas, de ver as mesmas pessoas, de ouvir os mesmos assuntos. Cansado de ir a mesma faculdade, cansado de assistir aulas infrutíferas, cansado de escutar que tal professor é formado nisso e naquilo, tem mestrado, doutorado, phD em tal assunto, mas que no final das contas, dá uma aula de merda. Cansado de sentar num bar após as aulas, ligar o ipod, e ficar cogitando hipóteses improváveis sobre a vida. Cansado de ter que aturar o mau humor constante da minha família, de ouvir piadinhas preconceituosas do meu pai, de ter que manter o jogo de cintura com as variações da minha mãe, e de ter que aguentar a falta de educação e delicadeza do meu irmão. Cansado de passar as tardes jogando sueca com a 3ª idade, cansado das mesmas experiências contadas e recontadas. Cansado de ir pra praia de madrugada, de dar um mergulho na água fria, depois deitar e ficar observando o céu. Cansado de escrever poesias e músicas sempre com o tom amargo, de buscar a melhor palavra para descrever o pior sentimento. Cansado da barulheira da cidade, do engarrafamento, das promessas que são feitas hoje, e que amanhã já não valem nada. Cansado da mesma trilha sonora, de me afundar na depressão e angústia, de acender um cigarro a todo momento. Cansado de gastar meu tempo e energia em algo, ou alguém, que não é meu... E por hora, cansei de escrever aqui também. Adiós

segunda-feira, 7 de março de 2011

Sex Toy

O seu reinado está prestes a cair
e não há mais nada que você possa fazer
estou assumindo o comando
e nenhuma força de paz poderá me conter
porque se o amor é uma guerra
então você estará fodido

I, I, I... I will destroy your soul

Bow down to my power
Now you're just...
a sex toy to me
A SEX TOY TO ME
A SEX TOY TO ME


Do mal que eu sofro
jamais poderei ser curado
porque o pior erro do destino
foi ter escolhido vc para eu amar
mas isso já não importa
quando eu estiver sob à luz dos holofotes

I, I, I... I will make you crawl

And you know what is pain
when you're just...
a sex toy to me
A SEX TOY TO ME
A SEX TOY TO ME


Je suis ton pire cauchemar.

Aflição

Filhos da puta dêem um passo à frente
Sou uma confissão que espera para ser ouvida
Sou um diamante que está cansado
de todas as caras que eu adquiri
Penumbras do passado me levaram para longe
Quem ousa me condenar agora?

E toda minha aflição se multiplicando
e eu finjo não sentir nenhuma dor
Baby, eu tenho guardado tanta coisa
e enquanto você vive de misérias
eu tenho prosperado no exterior

E não vai levar muito tempo até eu colidir
minhas fraquezas deitam nuas
Foda comigo até sabermos que é inseguro
E nós estaremos novamente em evidência
enquanto as pessoas param e olham
Mas é a última vez, eu juro

E toda minha aflição se multiplicando
e eu finjo não sentir nenhuma dor
Baby, o inferno se consumiu dentro de mim
[Eu consigo ver você fugindo de novo]
Virando as costas pra todos os sentimentos
[Parece que você está se perdendo de novo]
O mundo é um vazio tão devastador

Na fria luz da manhã
estou cheio de putaria e louco
Encarando por trás o espelho
está o rosto que não reconheço mais
Eu não me importo que me guardem com pinos e agulhas
desde que eu possa me fixar de alguma forma, querido
você não podia esperar que eu deitasse e morresse

E toda minha aflição se multiplicando
e eu finjo não sentir nenhuma dor
Baby, eu sou um cupido à prova de balas
e meu silêncio é quase uma oração.

domingo, 2 de janeiro de 2011

Passos

Passos pela rua, noite sem estrelas, desejo ardente no peito. São 3:47 da manhã e não consigo dormir, sinto que perdi algo pelas esquinas... é estranho, mas definitivamente não estou em minha antiga morada. Minha alma está atingindo uma potência extraordinária, enquanto que meu corpo está desfalecido, atirado no chão. Está um cheiro de podre no ar, receio jamais retornar à carne, mas isso já não faz diferença, uma vez que se encontra a dor no amor, num lapso de verdade contida, ou melhor, na decepção de uma mentira proferida.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

The End

Deus, pai de infinita bondade e inteligência suprema, diga-me quantas pedras atirei em tua cruz. Sou pecador, tu sabes melhor que ninguém os meus deslizes e acertos, mas por quê me abandonastes? Esse ano que chega ao fim foi um dos piores da minha vida. Perdi meu coração, e receio estar perdendo também a cabeça. Deito em minha cama todas as noites, como se estivesse deitando em meu leito de morte, pois não valeu a pena ter vivido este ano, ou melhor, sobrevivido. A temporada das bruxas e tempestades não passa, creio estar próximo do ápice da minha derrota. Ao que tudo indica minhas preces não servem de nada, as orações em que suplico o auxílio divino parecem me conduzir a lugar nenhum. Estou caminhando com passos incertos sobre a tênue linha entre o amor e o ódio, por vezes imagino as nuvens e ouço cantos angelicais, mas o que prevalece é a podridão interior e o fogo do inferno. As luzes parecem borradas, os carros passam por mim em alta velocidade... dê-me um sinal para que eu me jogue na frente de um deles e acabe de vez com essa agonia. Palavras pesadas, sentimentos amargurados, ações perturbadas, fatos e evidências que caracterizam o ano mais vazio de minha existência. Em meu peito bate um coração, a um ritmo quase parado, bombeando para todo o corpo a maldita frase "Eu te amo", mas isso vai acabar, e sinto que será de uma forma catastrófica. Deus, se você é amor, interceda por mim no que lhe peço todas as noites, caso contrário, eu o rejeito.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Natal

É, hoje é Natal, mas se é feliz aí eu já não sei. Acabei de vê-lo online, meu impulso seria desbloqueá-lo no mesmo instante e escrever um sem graça; "feliz Natal", mas por quê eu faria isso, não é mesmo? Não posso, nem irei ficar me rastejando por alguém que está pouco ligando pra mim. E isso me incomoda muito, eu desejo tanto estar com ele, tê-lo em meus braços novamente, poder beijá-lo e sussurrar um "Eu te amo" em seu ouvido. Tento manter meus pensamentos elevados, focando em coisas positivas, mas só eu sei o quanto está sendo difícil sustentar mais essa farsa. No momento estou ouvindo "Don't Speak"(No Doubt), receio que seja a subliminar de que preciso... Não falar, permanecer no escuro em total silêncio, eis a alternativa que me resta frente à desilusão de palavras pueris, superficiais.
Só vou pedir uma coisa nesse Natal, e creio estar bem explícito o que é. rs

Ao alto e avante!!!