terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Última Evidência Anual

Say a prayer but let the good times roll...

São 3 horas da manhã. Acabei de chegar da rua, mas preciso eliminar, ou apenas refletir sobre algumas das minhas memórias e sensações. Angústia? Essa palavra é simplória demais, para traduzir a tempestuosidade dos meus pensamentos. Escrevo agora, sobre um ano turbulento, por muitas vezes, tal turbulência foi causada por mim mesmo...e seria hipócrita da minha parte, dizer que não gosto disso. Em 2007, concluí o ensino médio me arrastando pelos corredores Salesianos, estava tão desestruturado, que não passar no vestibular foi apenas mais uma das consequências. Este ano, meu já conturbado relacionamento familiar, girou predominantemente em torno dessa questão e...claro; irresponsabilidade,rebeldia e maus hábitos, também fizeram parte desse pacote. Fevereiro após o carnaval; fiz um cruzeiro inesquecível, a viagem do ano. Mas enfim, tentei doutrinar-me aos estudos, uma tentativa fracassada, frente às múltiplas questões e a pessoa à direita, um pouco mais a frente[...] Mantive uma postura insólita, herança do ano anterior, e que se agravou por diversos fatores, mas que fique bem claro, estimulei uma simpatia que não possuía à época, e acabei ganhando meu título de phd em alvo de hostilidades.(Muito gentis, é claro.) Me perdi inúmeras vezes pelas escadarias da DDK, freqüentei lugares asquerosos e sofisticados... e em cada canto que fui, cada passo que dei, surgia uma nova experiência, para decaptar um velho conceito. Amizades foi algo que repensei, eliminei (e ainda estou eliminando) todos que não poderiam me aprimorar como pessoa, não para me tornar o "cara legal", e sim para aprender a lidar da melhor forma possível com o "cara que sou", e com as situações que virão. Bom, o ano é novo. Agora, se vai ser feliz, vamos aguardar...
#
Sweet dreams are made of this
Who am I to disagree?
I travel the world and the seven seas
Everybody's looking for something...
#
- Música: Sweet Dreams - Eurythmics

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Censura às Avessas

Tem horas que o meu olhar ultrapassa a tênue linha da individualidade; torna-se provocativo e excitante, sem que eu perceba. Eu me distraio por um minuto, e no minuto seguinte, me flagro pensando em alguém...
As pessoas podem tirar tudo de você, mas elas nunca poderão levar embora a sua verdade. E a questão é; você aguenta conhecer a minha?...Eles dizem que eu sou louco, eu não me importo mesmo, é apenas uma prerrogativa. Eles não são capazes de me entender. Todos dão seu parecer, mas por quê eles não me deixam simplismente viver? (Diga-me por que.)

Karma Police, arrest this man, he talks in maths
He buzzes like a fridge, he's like a detuned radio
Karma Police, arrest this girl, her hitler hairdo, is making me feel ill
And we have crashed her party
This is what you get, this is what you get
This is what you get, when you mess with us
Karma Police, I've given all I can, it's not enough
I've given all I can, but we're still on the payroll
This is what you get, this is what you get
This is what you get, when you mess with us
And for a minute there, I lost myself, I lost myself...
And for a minute there, I lost myself, I lost myself...
For a minute there, I lost myself, I lost myself [...]

- Música: Karma Police - Radiohead

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Extremidade Amarga

Quanto mais eu penso, pior eu fico. A escuridão vem todos os dias e apodera-se dos céus; ela é silenciosa, age sem que eu consiga perceber, distrai os meus sentidos e toma de assalto a minha mente. Eis que surge um emaranhado de forças, das mais simplórias às mais complexas; saudade dilacerante de um passado perdido ou jamais vivido, angústia de uma vida sem direção, raiva de não ter atingido um ponto almejado, euforia na espera de algo ou de alguém, a depressão das horas vagas, munida de um sentimentalismo exacerbado. O conflito entre as minhas múltiplas personalidades, gera um transtorno que, por vezes, eu não consigo domar e acabo saindo do meu eixo de equilíbrio, já bastante debilitado.[...] Você começa a andar por uma estrada, não há nada além dela, quanto mais você anda, menos vê, o tempo mudou e você já sente frio, o corpo está exausto, seu cérebro confessa que já não podes continuar, até que você cai no chão... ocorre um flashback de toda sua vida, aquela vidinha, todos os rostos do passado, ridicularizando o conceito de tempo, você percebe que as suas várias partes, estão sendo dramaturgicamente postas à prova, você já não vai mais resistir, as máscaras estão prestes à destruição, você não consegue enxergar, a cegueira cobriu seus olhos com um véu negro, esse filme está secando sua saliva, essas situações que você observa, estão incendiando o seu espírito, parecem estar levando-o para o inferno, você sente arder todas as suas feridas, é muito calor, você está delirando numa estrada deserta, rezando desesperadamente à uma figura divina que nunca te ajudou, que talvez você seja odiado por ela todos esses anos, que talvez ela deseje até a sua última gota de sangue; mas você precisa recorrer à alguém, porque a fria luz da manhã já está pra chegar, e você acaba de ouvir o estampido que matou um pássaro... enquanto ele tentava voar.

- Música: In The Cold Light Of The Morning- Placebo