quarta-feira, 13 de maio de 2009

Courtney

(Escrevi essa música hoje.
Destino à você, meu amor.)

Courtney preparou uma bomba atômica
E eu me sinto ameaçado neste inverno insano
A cada dia que abro os olhos e vejo o horizonte
Sei que o pior pode acontecer.
Ohhh Courtney
O diabo me traiu no pacto
Como pude deixar você fazer isso comigo?

Há fantasmas rondando pela noite
E eles sabem perturbar minha alma como ninguém
Eu acendo um cigarro depressa
Na esperança ingênua de iluminar meu caminho.
Ohhh Courtney
O diabo tenta me confundir
Você quer mesmo seguir ao meu lado?

O destino realizou sua última jogada
Courtney, você me presenteou com uma bomba atômica
Desço do meu trono em completo desespero
E rastejo atrás do meu coração radioativo.
Ohhh Courtney
O diabo quer me matar
Você jura amor a esse príncipe decadente?

Courtney preparou uma bomba atômica
Mas eu me sinto protegido nessa onda radioativa
O diabo é como um átomo de areia
A cada dia que abro os olhos e vejo o horizonte
Sei que o melhor vai acontecer.

sábado, 9 de maio de 2009

Estarei

(Esse texto foi escrito pra mim
pela pessoa que eu sinto
pela primeira e única vez;
O amor.)

Há um fatasma andando pela rua
E eu quero fugir de tudo aquilo
Há um fantasma na minha cama, e eu estou sozinho agora
Eu conheci todos os hotéis, eu conheci todo o inferno
Não há nada que eu não tenha feito
Não há ninguém que eu não tenha tido

E eu me conheço bem, e o diabo fala comigo
E ele me teve dizendo que eu estou tão vazio
Eu apenas disse "Me desculpe você nunca fará isso de novo"

E eu vivo numa caixa
E eu morro neste buraco
E você segura as chaves para a cela
E eu não quero ir
Mas não posso ficar, e não depende de mim
Depende de você

E em todas as festas de amanhã, eu não estarei em nenhuma
E quando você começar a sentir minha falta
Eu pegarei minha arma
É dia dos Namorados de novo, e não há nada aqui pra mim

Você estaria lá quando as luzes se apagarem?
Você estaria lá quando o teto desabasse?
Você estaria lá quando o Diabo viesse para mim?
Você estaria lá quando as luzes fossem negras e vazias?
Você estaria lá quando o Diabo me levasse para debaixo da terra?

Você estaria lá quando a noite, permanecesse noite por todo o ano?
Você estaria lá no gelo e no frio e se congelaria?
Você estaria aqui em qualquer momento
Quando eu estivesse ajoelhado?

[It's not the side-effects of the cocaine
I'm thinking that it must be love] Oh yeah! It's right!

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Evidência

Fique a vontade meu bem
Sinta vontade de ficar
Não tenha pressa
Quem sabe comigo
É o seu lugar

Mas se tiver de ir
Vê se não vai assim, sem mim
Deixa a dor pra depois
Vamos nos amar, temos tempo
Chega de prantos, sem chorar

Não fique a vontade meu bem
Me mostra tua coragem
Vai e leve tudo de mim
Apague os passos da estrada
Tente se lembrar
Daquele seu tempo
Que era tão fácil dizer amar

Diz que quando eu for embora
Sempre vai me procurar
Não que eu queira
Pois continuo a te amar
E em cada estação
Em que eu não puder estar
Leva essa saudade
Enquanto não posso te levar

E no fim desse sufoco
Espero contar com a sorte
Se ela existe, então que nem a morte
Possa nos separar.

*Tudo vai ficar bem.*

Veneno

Dos 7 pecados capitais
não existe um, que eu não tenha cometido
Ultrajando da luxúria à inveja
Eu crio o meu próprio veneno

Por esses atalhos e trilhas
Embaralho tudo e me perco do caminho
Transponho minhas limitações
Enveneno todos os meus sentidos

*Luto pela felicidade
Me indigno, mas figuro ameno
O que liquida a minha vida
É o meu próprio veneno...

Noites Difusas

(Escrevi já faz um tempo. Era apenas uma questão de tempo...)
Os dias se passaram...

O sol mal havia perecido
E a lua ameaçadora já dominava os céus
Uma história de amor secular
Forjou meu platonismo
Me perdi por entre as linhas da ilusão
Eu aboli a doutrina do conservadorismo

Alguns dias a mais...

A lua retornou sob nova faceta
A maré que baixou, fez-me disparar feito um cometa
O santuário perdido, eu ainda ei de encontrar
Diante de nova perspectiva, tudo tende a girar

O fim e início dos dias...

sábado, 2 de maio de 2009

O gato

Dentro em meu cérebro vai e vem
Como se a sua casa fosse
Um belo gato, forte e doce.
Quando ele mia, mal a quem
Lhe ouça o fugaz timbre discreto;
Seja serena ou iracunda,
Soa-lhe a voz rica e profunda.
Eis seu encanto mais secreto.
Essa voz que se infiltra e afina
Em meu recesso mais umbroso
Me enche qual verso numeroso
E como um filtro me ilumina.
Os piores males ele embala
E os êxtases todos oferta;
Para enunciar a frase certa,
Não é com palavras que fala.
Não, não existe arco que morda
Meu coração, nobre instrumento,
Ou faça com tal sentimento
Vibrar-lhe a mais sensível corda
Que a tua voz, ó misterioso
Gato de místico veludo,
Em que, como um anjo, tudo
É tão sutil quanto gracioso!

(Baudelaire)