quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

The End

Deus, pai de infinita bondade e inteligência suprema, diga-me quantas pedras atirei em tua cruz. Sou pecador, tu sabes melhor que ninguém os meus deslizes e acertos, mas por quê me abandonastes? Esse ano que chega ao fim foi um dos piores da minha vida. Perdi meu coração, e receio estar perdendo também a cabeça. Deito em minha cama todas as noites, como se estivesse deitando em meu leito de morte, pois não valeu a pena ter vivido este ano, ou melhor, sobrevivido. A temporada das bruxas e tempestades não passa, creio estar próximo do ápice da minha derrota. Ao que tudo indica minhas preces não servem de nada, as orações em que suplico o auxílio divino parecem me conduzir a lugar nenhum. Estou caminhando com passos incertos sobre a tênue linha entre o amor e o ódio, por vezes imagino as nuvens e ouço cantos angelicais, mas o que prevalece é a podridão interior e o fogo do inferno. As luzes parecem borradas, os carros passam por mim em alta velocidade... dê-me um sinal para que eu me jogue na frente de um deles e acabe de vez com essa agonia. Palavras pesadas, sentimentos amargurados, ações perturbadas, fatos e evidências que caracterizam o ano mais vazio de minha existência. Em meu peito bate um coração, a um ritmo quase parado, bombeando para todo o corpo a maldita frase "Eu te amo", mas isso vai acabar, e sinto que será de uma forma catastrófica. Deus, se você é amor, interceda por mim no que lhe peço todas as noites, caso contrário, eu o rejeito.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Natal

É, hoje é Natal, mas se é feliz aí eu já não sei. Acabei de vê-lo online, meu impulso seria desbloqueá-lo no mesmo instante e escrever um sem graça; "feliz Natal", mas por quê eu faria isso, não é mesmo? Não posso, nem irei ficar me rastejando por alguém que está pouco ligando pra mim. E isso me incomoda muito, eu desejo tanto estar com ele, tê-lo em meus braços novamente, poder beijá-lo e sussurrar um "Eu te amo" em seu ouvido. Tento manter meus pensamentos elevados, focando em coisas positivas, mas só eu sei o quanto está sendo difícil sustentar mais essa farsa. No momento estou ouvindo "Don't Speak"(No Doubt), receio que seja a subliminar de que preciso... Não falar, permanecer no escuro em total silêncio, eis a alternativa que me resta frente à desilusão de palavras pueris, superficiais.
Só vou pedir uma coisa nesse Natal, e creio estar bem explícito o que é. rs

Ao alto e avante!!!

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Deuses

Estou confuso. Sexo já não me satisfaz, beijos também não. Indago-me porquê pensar é sofrer, e porquê sofrer é inútil. Será mesmo que ele não me ama? Será mesmo que eu não signifiquei nada de tão importante, a ponto dele não me desejar mais? Essas são perguntas que serão respondidas em janeiro, isto é, se as coisas não mudarem... Estou gostando de dois garotos, um é fútil demais, está mais preocupado com a minha beleza do que com o meu conteúdo, já o outro, se interessou pela minha inteligência, mas mora longe, e ainda vai se mudar pra outro país ano que vem. Eu não tenho chances. Elas surgem e vão embora rápido demais. E no fundo, eu ainda amo uma única pessoa, mas parece que vou me foder de novo... apenas isso. Que os deuses do amor estejam a me proteger.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Saudade

A saudade está apertando em meu peito, já faz tempos que não consigo dormir direito, meu pensamento vagueia e se perde pelas esquinas, e apenas uma pessoa poderia me livrar disso, mas ele está tão longe... emocionalmente também. Eu lamento pelo beijo que não poderei dar, eu perco a paciência por esperar um futuro maravilhoso que não virá, eu simulo um contentamento que definitivamente não existe, eu sofro por Deus ter me abandonado à própria sorte, eu me martirizo por ter errado, eu tenho que fingir uma pessoa que não sou, eu estou aprisionado ao sentimento mais bonito que já houve em mim, mas que agora virou um câncer e vai me matar, eu não tenho mais glórias, meus tempos de ouro se acabaram rápido demais, e agora me resta somente a maldita e cruel dor de ter sido abandonado pelo único que eu amei. Tudo se perdeu?

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

...

Alguma coisa morreu dentro de mim. Não há recuperação. Eu debati tanto a respeito dele, eu pensei tanto em tudo o que se passou, eu potencializei toda a dor, mas isso chegou num nível em que não dá mais para continuar. Eu não tenho mais argumentos para defendê-lo, esgotei as possibilidades, fico de mãos atadas uma vez que não há nenhum tipo de retorno. Indago-me como é possível uma pessoa dizer que te ama, com lágrimas nos olhos, transferir para você a tempestuosidade dessas palavras, e pouco tempo depois, esquecer tudo, abandoná-lo à própria sorte. (e a palavra sorte nunca foi presente na minha vida)Deus, eu não quero outra pessoa, mas eu cansei de sofrer,
o meu barco está naufragando e não há mais nada que eu possa fazer, e ti não aparece para socorrer-me, nem dá uma palavra de encorajamento. Já se passou um ano desde que o inferno começou, e não houve mudanças. Ao contrário, o que já existia se intensificou ainda mais da minha parte, apenas da minha maldita e cruel parte. Este é um estrago que não vou conseguir reparar. Meu coração dói, estou perdido e louco, levo uma vida que definitivamente não me agrada. O que fiz para merecer esses castigos? Sinto-me no fim da linha, a vida perdeu sua importância e a magnitude do meu suplício vai me destruir por completo. Mate-me. Mate-me. Mate-me.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Demônios

Algumas coisas são melhores quando não ditas
e eu vou atear fogo no seu corpo
e me render ao pecado
Porque eu gosto de praticar o que eu prego
Deixe-me levar você para longe
Nós iremos nos beijar e tremer com a luz
E é por isso que eu estou voltando pra você
(a sociopatia está só começando)

estou ajoelhado no altar do meu ego
Você sente a minha falta?
Então chegue mais perto
Eu quero sentir o seu toque
Então venha agora
Me salve desse desespero
(porque demônios me seguem)
demônios me seguem
demônios me seguem
demônios me fodem

Mas eu não vou perder a pose
porque meu silêncio é quase uma oração
enquanto estou na zona de perigo
(dinamite meu cérebro agora)
Se aproxime, eu quero algo mais
Se aproxime querido
(eu sou pior do que você pensa)

As velas proibidas raiaram
E nós tomamos decisões duras e egoístas
Nós dois já tentamos sumir com a culpa
Mas as prevenções são inúteis aqui
(porque demônios me seguem)
demônios me seguem
demônios me seguem
demônios me fodem
...mas eu ainda te amo.

domingo, 3 de outubro de 2010

Meu amor

Eu sou o garoto que veio do mar
e fui o único que soube a verdade sobre você
deve ser estranhamente excitante
assistir um insensível como eu
se contorcer por essa emoção insólita
eu devo parecer muito intrigante
mas preciso de um tempo para deliberar
minhas ousadias mais profundas
uma certa vez eu estive apaixonado
e agora eu estou simplesmente implodindo
todos os falsos pilares que me sustentam

Penumbras do passado me levaram para longe
quem ousa me condenar agora?
e não vai levar muito tempo até eu colidir
minhas fraquezas deitam nuas
foda comigo até sabermos que é inseguro
e nós estaremos novamente em evidência
enquanto as pessoas param e olham
mas será a última vez, eu juro
estou perdido na Pacific Coast Highway
e uma corrente no pescoço é tudo o que tenho

A bomba atômica que você me presenteou
explodiu numa noite que nunca morrerá em meu peito
foi uma passagem só de ída para Saint Roman
mas eu ainda busco reunir os fragmentos
porque é na angústia de ser repartido que me torno inteiro
um dia você entenderá o vigor das minhas palavras
e terá a certeza de que eu não jogo pra perder
eu sou o centro do universo
sim, eu sou a verdade

Desde o tempo que nos interceptamos
pareceu quase um suicídio
e eu não quero ir, mas não posso ficar
e não depende de mim, depende de você
domingo de manhã, quando a chuva começar a cair
É o fim do mundo... meu amor, é o fim.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Face

Talvez seja o objetivo da minha vida nunca saber quem é a outra face no espelho, olhando pelas minhas costas com seu sorriso azulado e sarcástico. Pode ser esse o caminho, minha eterna busca, minha Torre: saber quem é essa criatura siamesa que me habita. Se o for, será minha busca interminável, pois as linhas já se borraram e se fundiram com o ambiente, e não sei mais dizer quem sou eu, quem é alienígena. Não sei apontar porque sinto essa presença, mas sei dizer que essas oscilações não são minhas. Asseguro que não sou eu, mesmo parecendo que jogo a culpa dos meus surtos e recaídas sobre outro, e que se pudesse, teria o equilíbrio. Não me sentiria tão sozinho, nem tão culpado - seja lá o motivo do meu martírio. Saberia amar e não desprezaria tudo, e todos. Se pudesse escolher, seria mais um entre tantos, e não o único; me preocuparia mais com o clima do que com o tempo. E se ele me concedesse uma trégua? E se o relógio parasse de marchar rumo ao fim? Quem diria eu ser num momento suspenso dos trilhos do tempo? Minto que sei quem sou, mas não sei se sou, ou se divido o ser. Não saberia ao menos dizer quem sou agora.

sábado, 31 de julho de 2010

Indagações

Você saberia diferenciar o alívio que sente da agonia que sentiu? Saberia dizer se do céu que você admira cairia o raio que te partiria a consciência em duas e te faria drão? Morte é a solidão que te agoura no escuro, no frio de uma noite em um verão que nunca morreu no seu peito, fotografias e recortes, temperaturas que você não saberia mais descrever. Os invernos debaixo da sua ausência são rigorosos. Olhe para outro lado e lave o sangue entre os dedos; o sangue que preenche o abismo dos nossos nomes gravados na parte interna das alianças feitas sem méritos, as enormes lacunas entre as nossas semelhanças. Você saberia me dizer para onde ir, ou de onde veio? Usaria o véu que cobre a minha mágoa no dia em que se fechasse a porta do meu último leito, colheria as rosas entoando cânticos que nascem dos orifícios aonde a sua fuga me feriu? Medo é o seu sangue desdenhoso, seu ardente desgosto, desgostosa relíquia; sua energia vital fluindo em suas curvas de sereia, como borboletas em seu estômago, em seu sétimo dia de prazer, as asas desfalecendo lentamente, se juntando ao pó que dança invisível no vento que sopra para longe o seu perdão. A sua carícia é um corte fundo no formato dos seus dedos, tamborilando outrora em minha pele, num gesto tímido e distante de afeto.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Direção

Não sobra muito no que pensar quando sua mente está lotada. Chega uma hora na vida de um homem que, no dito popular, ou vai ou racha. A hora do fazer, ou ser só mais um. E pelo amor, eu não suportaria ser só mais um. Então escolhi ir, ainda em referência ao dito popular. Me sinto bem, me sinto satisfeito, focado e com um objetivo. No que se diz à avaliação do esforço de cada um, talvez seja esse o patamar de satisfação que todos nós buscamos. Certamente foi o que busquei durante esse tempo todo.
Pouco podia ser pior do que ficar à deriva. Era uma tortura, demorada e angustiante, a espera de um evento que me comovesse. Mas à medida que se doma o próprio ego - e o meu é um animal arredio - percebe-se que a medida mais fácil pra fugir é comover-se a si mesmo, pelo próprio sentido de comover-se. Depois de subjugada a vontade, não há necessidade de esperar um empurrão do destino em direção às estrelas se você mesmo é capaz de fazer esse salto.
Me sinto norteado, e pra mim é o suficiente, por enquanto. Acho que é melhor esperar a hora de dar um salto maior do que esperar ser empurrado pra cima pelo destino.
Encham a cabeça de objetivos. Pensem em sempre crescerem; desejem serem maiores do que nasceram pra ser.

sábado, 24 de julho de 2010

Ferida

Fui ferido e parece que não posso cicatrizar, não sei porque Deus empurrou mais essa dor em meu coração , estou tão desgraçado e perdido. A metrópole cheia de pessoas vazias, tantas promessas em vão, gostaria de entender o por quê de você não se render aos meus encantos. Mesmo não me conhecendo direito; eu sou tão amável, ainda que eu seja duro com as palavras e experiente em meu discurso persuasivo. Por que você não me dá uma chance? Eu poderia lhe mostrar o que existe por debaixo da minha armadura, não deixe uma pessoa como eu escapar da sua vida, há oportunidades que nunca mais voltam.

Se Deus é bondade, não sei por quê ele me submete a tantas provas.

domingo, 18 de julho de 2010

Busca

O problema de achar é que cessa a busca; e se mantém sólido até que se perca de novo. Inevitável como a tendência da matéria organizada à entropia, e da mesma forma, sempre se perde algo. Inexorável, fato consumado. Varia o intervalo de tempo: encontra-se o que buscava, sobe o muro e observa o resto do mundo se degladiar e se deglutir sobre si mesmo tentando alcançar-te. Te divertirá a vulgaridade do homem comum buscando o patamar superior em redundâncias, ingênuo ao fato de que procurar redundâncias é o que os prende ao chão, enraiza seus pés ao solo podre do mesquinho.
Mas percebe que do seu muro alto dá pra ver distante, como se sempre quis deixar de ser míope, e a realidade inteira te parece nova. Vê, a sua análise foi despedaçada em idéias toscas e pueris, quase à ponto de te ser vergonhoso - ou engraçado. Porque seu foco mudou; tu enxergas longe agora. Tu enxergas através, ao redor, entre e à frente, agora. Enxergas vultos de idéias que nunca sequer cogitou existirem e sua razão brilha, ofusca sua glória de domar-te a si mesmo.
Agora, você se perdeu. Estás perdido um andar acima ao de antes, mas ainda perdido. Porque agora você se sente sol entre as minúsculas formas que tentam domar o teu muro, a tua luz; mas ainda se sente uma mera estrela frente à tua própria grandeza.
Crie o novo, transforme o novo, seja o meu novo...

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Lugar Nenhum

Essa solidão que sinto não é tristeza. Nem sequer um sentimento triste. É o distanciamento natural, físico, a impossibilidade de ser. Eu estou em lugar nenhum. Estou dentro da mente, em um mundo de idéias, feito de razão, e aqui faz muito, muito frio. Essa tristeza que sinto não é um sentimento, e sentir arruinaria a complitude dessa decepção. É saber que por mais perto, eu não seria capaz de habitar o mesmo espaço, porque dos meus, existem dois - três, quatro, cinco; e estamos todos num plano feito de idéias. Idéias sem idade, idéias etéreas.
Você não seria capaz de me reconhecer se me visse. Não seria capaz de me apontar um dedo se me visse de perto. O que se reconhece é o produto; mas eu sou a equação. Os fatores que disputam entre si, para formar uma imagem nítida num plano em que eu não existo.

terça-feira, 11 de maio de 2010

Pantomima

"Eu peguei o diabo nos detalhes
E ele vai me ensinar o errado do certo
Aquela pantomima fodida
o diabo nos detalhes"

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Fique à vontade

Fique à vontade
sinta vontade de ficar
não tenha pressa
quem sabe aqui é o seu lugar
Diz que quando eu for embora
sempre vai me procurar
E em cada estação em que eu não puder estar
Leve essa saudade, enquanto não posso te levar
E no fim espero contar com a sorte
Quem sabe, se ela existe...
Que só a morte possa nos separar.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Estagnação

Não acontece nada! Céus, minha vida está plenamente estagnada. O que fazer? Eu não sei, tardo porque penso e tudo rui. Degradando ainda mais, eis que tenho um coração doentio. Mas isso muda pouco a pouco...