domingo, 3 de outubro de 2010

Meu amor

Eu sou o garoto que veio do mar
e fui o único que soube a verdade sobre você
deve ser estranhamente excitante
assistir um insensível como eu
se contorcer por essa emoção insólita
eu devo parecer muito intrigante
mas preciso de um tempo para deliberar
minhas ousadias mais profundas
uma certa vez eu estive apaixonado
e agora eu estou simplesmente implodindo
todos os falsos pilares que me sustentam

Penumbras do passado me levaram para longe
quem ousa me condenar agora?
e não vai levar muito tempo até eu colidir
minhas fraquezas deitam nuas
foda comigo até sabermos que é inseguro
e nós estaremos novamente em evidência
enquanto as pessoas param e olham
mas será a última vez, eu juro
estou perdido na Pacific Coast Highway
e uma corrente no pescoço é tudo o que tenho

A bomba atômica que você me presenteou
explodiu numa noite que nunca morrerá em meu peito
foi uma passagem só de ída para Saint Roman
mas eu ainda busco reunir os fragmentos
porque é na angústia de ser repartido que me torno inteiro
um dia você entenderá o vigor das minhas palavras
e terá a certeza de que eu não jogo pra perder
eu sou o centro do universo
sim, eu sou a verdade

Desde o tempo que nos interceptamos
pareceu quase um suicídio
e eu não quero ir, mas não posso ficar
e não depende de mim, depende de você
domingo de manhã, quando a chuva começar a cair
É o fim do mundo... meu amor, é o fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário